Silva Palmeira / João Abel Manta
30 de Julho de 2020

Silva Palmeira / João Abel Manta

Duas pontes, dois autores

Duas pontes, dois autores, o mesmo rio. Silva Palmeira tem vindo ao longo dos anos a criar uma relação íntima com a arte gráfica, mais precisamente com a técnica da Serigrafia. É com grande mestria que põe em evidência as mais diversas paisagens e perspetivas. Nas suas obras, transmite narrativas aparentemente diretas, mas cheias de significado e poesia. Destaco: o significado da linha. Mais precisamente o pragmatismo utilizado na escolha das linhas representadas. Um processo que embora se afigure simples, encerra em si um grande exercício de reflexão. Nesta peça - cujo título tem tanto de concreto como de poético - o autor explora a ligação da cidade de Lisboa com o sul, num traço languido que transmite tranquilidade.

   

Silva Palmeira, Lisboa um Porto para a Paz

 

João Abel Manta, S/ Título

  

Por outro lado, o artista João Abel Manta, presenteia-nos, nesta que é a sua primeira edição CPS, com uma estampa digital que nos traz a beleza de uma perspetiva do mesmo rio, mas de outra ponte. Arquiteto de formação - e talvez seja por isso tão marcada nesta obra a presença do elemento arquitetónico - não só a própria ponte sobre o Tejo, como o cais onde se afiguram gaivotas em repouso.

Apesar de estarmos perante duas técnicas distintas e de dois artistas também eles bem distintos, há uma grande conexão entre os olhares de ambos. Lisboa, nas duas perspetivas apresentadas, é vista como um porto e um ponto de partida ou chegada em relação a um horizonte longínquo.

Ambas as obras, concedem ao observador uma pausa no ritmo acelerado da cidade, e um momento de apreciação daquilo que ela nos pode dar de mais belo.

 

JOANA FIGUEIROA
Assessoria em Arte - Galeria CPS no CCB