[ X ]

Ainda não está registado?

Registe-se no novo site do CPS e termine mais rapidamente as suas encomendas, aceda à sua Coleção e, se já é Sócio, utilize as suas quotas! 

Registo

Login

Esqueci-me da password

João Hogan

Promontório

Disponível

Técnica: Serigrafia

Suporte: Papel Fabriano 27 GF 325gr

Dimensão da Mancha: 39x48,5 cm

Dimensão do Suporte: 50x70 cm

N.º de cores: 35

Data: 1986

Nº de Exemplares: 150

Ref: EX1464

PVP: €600

Sócios: €455 ou 100% dedutível em quotas

 EDIÇÕES HOLLY - EXCLUSIVO CPS       

Issac Holly iniciou a atividade editorial no final dos anos 1970, promovendo a obra gráfica de importantes artistas portugueses. O CPS é o representante exclusivo das Edições Holly.

 

Nota crítica

João Hogan

Outras obras disponíveis de João Hogan

Nasceu em Lisboa no ano de 1914 no seio de uma família de pintores. De ascendência irlandesa, era neto do aguarelista Ricardo Hogan e sobrinho do pintor Álvaro Navarro Hogan.

 

Frequentou durante um ano (1930-31) o curso geral da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Descrente do ensino artístico, tornou-se auto-didacta, exercendo a sua vocação como pintor, juntamente com o seu trabalho como marceneiro. No ano de 1937 tornou-se aluno de Frederico Ayres e de Mário Augusto nas aulas nocturnas da Sociedade Nacional de Belas Artes.

 

A primeira apresentação pública da sua obra foi em 1942, na Exposição de Arte Moderna do S.P.N. em Lisboa. A primeira exposição individual foi no ano de 1951 na Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa. Elegeu a paisagem como tema predilecto e interpretou-a exaustivamente durante todo o seu percurso artístico.

 

Teve numa primeira fase a grande influência dos naturalistas portugueses, Silva Porto, Columbano ou Malhoa, mas num segundo momento nomeou como mestres Van Gogh e Cézanne, notando-se na sua obra a geometrização dos elementos da paisagem e a solidez na estruturação da imagem. No início do seu percurso pintava ao ar livre nos arredores da cidade de Lisboa ou na Beira Baixa, método que foi abandonado à medida que foi trabalhando uma paisagem mais crua, menos pormenorizada, mas também mais imaginativa e até fictícia. Em 1953 integrou a representação portuguesa na II Bienal de S. Paulo, Brasil e em 1957 participou na 1ª Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian. Recebeu 1º Prémio de Pintura na II Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian, 1961 e o 1º Prémio de Pintura Silva Porto, SNI, Lisboa, 1964. No ano de 1957 iniciou-se na gravura, sob influência de William Hayter, de quem foi aluno. Foi sócio fundador da Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, em Lisboa, onde dirigiu diversos cursos de gravura, tendo um papel importante na formação das gerações mais novas. A sua obra é de enorme diversidade.

 

Está representado em diversas colecções e museus, nomeadamente no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, no Museu do Chiado e no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Faleceu em Lisboa em 1988. Quatro anos mais tarde, em 1992, foi homenageado com uma Exposição Antológica no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian.

Ler Mais Ver Obra completa.