[ X ]

Ainda não está registado?

Registe-se no novo site do CPS e termine mais rapidamente as suas encomendas, aceda à sua Coleção e, se já é Sócio, utilize as suas quotas! 

Registo

Login

Esqueci-me da password

Luís Soares

Composição

Disponível (HC ou PA)

Técnica: Serigrafia

Suporte: Papel Fabriano D5 GF 210gr

Dimensão da Mancha: 34x41,6 cm

Dimensão do Suporte: 50x70 cm

N.º de cores: 29

Data: 1994

Nº de Exemplares: 200

Ref: S0137

PVP: €265

Sócios: €186 ou 100% dedutível em quotas

Luís Soares

Outras obras disponíveis de Luís Soares

Luís Soares nasce a 22 de Agosto em Maputo, Moçambique. 
Descendente de colonos, desde muito cedo bebe a mistura branca, negra e asiática característica do Moçambique de então. Essas vivências culturais e estéticas marcaram profundamente a sua vida artística. 

Em 1959 vem pela primeira vez à Europa, visitando Espanha e Portugal.

Autodidata, desde muito novo se dedica ao desenho, pastel, aguarela e guache, tendo como professor no liceu, o artista António Heleno, que o entusiasma definitivamente pelo desenho.

Em 1968 frequenta cursos de desenho na Escola de  Desenho e Pintura do Núcleo de Arte de  Lourenço Marques, e aí executa os seus primeiros trabalhos a óleo. 
Ingressa em 1969, como aluno, no Colégio Nun'Alvares de Tomar, já em Portugal.

De regresso a Moçambique, faz em 1974, a sua primeira grande exposição na Casa Amarela, com o apoio da Câmara Municipal de  Lourenço Marques. Expõe na Casa Africana, em Lourenço Marques e na exposição-leilão a favor dos presos políticos.  Faz as primeiras esculturas fundidas a bronze e alumínio. 

 

Em 1976 aprende a fazer as primeiras peças ao torno de oleiro, na Olaria da Matola, perto de Lourenço Marques. Utiliza o então abandonado Núcleo de  Arte para atelier de pintura e cerâmica, com o colega e amigo Lobo Fernandes. 

Participa na Exposição do 1º Aniversário da Independência de Moçambique.

Em 1977 expõe em Paris na Galerie La Passerelle de S. Louis; Holliday Inn - Mbabane
Em Lisboa, na Gravura, tem os primeiros contatos com aquela técnica. 

 

Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian para gravura, na Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses - GRAVURA, com orientação técnica de João Hogan, em 1979. Em 1980 executa painéis em azulejo na Fábrica Viúva Lamego e tem os primeiros contactos com a faiança portuguesa, pela qual se apaixona.

Expõe desde 1974 e desde então já participou em mais de 500 exposições coletivas um pouco por todo o mundo: E.U.A., Bélgica, Suíça, Portugal, Moçambique, França, Alemanha, Itália, Holanda, Suécia, Noruega. A sua obra tem sido presença assídua em certames internacionais como a Europ'art (Suiça), a Art – Miami (E.U.A.), a Art La (E.U.A.), a Art Dusseldorf (Alemanha) ou a Artexpo – Nova Iorque (E.U.A).

Ler Mais Ver Obra completa.