[ X ]

Ainda não está registado?

Registe-se no novo site do CPS e termine mais rapidamente as suas encomendas, aceda à sua Coleção e, se já é Sócio, utilize as suas quotas! 

Registo

Login

Esqueci-me da password

Cruzeiro Seixas

Aqui não há espaço para o Mar

Data: 15/02/2005 - 24/03/2005

Local: CPS Sede

“Ao recortar, colar e associar livremente fragmentos de imagens serigráficas e fotográficas de desenhos e pinturas da sua autoria, por vezes conjugados com pormenores de obras de arte de outros autores, antigos e modernos, Cruzeiro Seixas experimenta os múltiplos sentidos que esta actividade promove. (...) A sua imagética surrealista recorre frequentemente ao desenho e à colagem, que são os seus modos de intervir na recriação da visão onírica e transfigurada do mundo. Na descendência de Jerónimo Bosch, notável pintor fantástico do séc. XV, Cruzeiro Seixas cria personagens semi-humanas, semi-animalescas, tão demoníacas quanto angelicais, em cenários de abismo e vertigem. (...) Desenhar, pintar, recortar e colar o que desenha e pinta, é o seu processo de trabalho implicado no acto livre que, a partir da exploração do acaso, proporciona o alargamento e o aprofundamento de uma linguagem, enraizada na vida oculta do inconsciente. (...) Nos seus desenhos e colagens, como estas agora reunidas em exposição, a linha do horizonte é sempre longínqua e demasiado baixa, fazendo-nos sentir que olhamos tudo de um ponto de vista muito alto. Temos a sensação de pairar vertiginosamente sobre a extensa planície. Entre o céu e a terra, a movimentação de corpos e objectos cresce, em ritmo ascensional, em direcção ao infinito. O dia desvenda o que a noite oculta. Da treva emerge a luz. Sobre fundos negros cerrados ou em obscuros azuis translúcidos, recortam-se esculturais corpos iluminados, lívidos de tanto sonharem, conjugados com objectos voadores e astros fulgurantes como luas e sóis multicolores, que anunciam um Novo Mundo, onde o Amor renasce constantemente, pleno de sentido e de verdade. Verdade rima com Liberdade. Dor rima com Amor. A Invenção do Novo Dia rima com Poesia. “LIBERDADE, AMOR E POESIA” é a trilogia proclamada, desde sempre e para sempre, pelos arautos do Surrealismo.” Janeiro 2005, EURICO GONÇALVES Esta exposição inclui-se no conjunto de Eventos Comemorativos dos 20 Anos de Actividade do Centro Português de Serigrafia.

Ler Mais Ler Menos