[ X ]

Ainda não está registado?

Registe-se no novo site do CPS e termine mais rapidamente as suas encomendas, aceda à sua Coleção e, se já é Sócio, utilize as suas quotas! 

Registo

Login

Esqueci-me da password

Primeira Serigrafia de Manuel Cargaleiro, 1985

Primeira litografia de Helena Abreu (pedra litográfica), 2001

Exposição de Cruzeiro Seixas na nova Sede do CPS, 2005

Exposição de Mimmo Rotella na Sede do CPS, 2010

CPS na Estampa - Salão Internacional de Obra Gráfica, Madrid

Instalações da ala de Gravura e Litografia do novo Atelier CPS

Máquina de serigrafia no novo Atelier CPS

Breve Historial

DESDE 1985 A PARTILHAR ARTE CONSIGO

O CPS inicia a sua atividade editorial com uma serigrafia de Manuel Cargaleiro, criada em 1985. A Serigrafia, seria de resto, a técnica eleita nos primeiros anos de edições. Atualmente perfazem já mais de 1.000 as serigrafias editadas de artistas nacionais e estrangeiros, ao longo de 30 anos, onde se incluem nomes consagrados como Bual, Cesariny, Nadir Afonso ou Cruzeiro Seixas, entre muitos outros. No plano internacional, podemos encontrar obras de Allen Jones, Canogar, Errö, Jan Voss, Luís Feito, Peter Klasen, Seguí ou Velickovic.

Em 1994, aproveitando a riqueza criativa dos gravadores portugueses, o CPS inicia as Edições de Gravura, tendo realizado entretanto mais de 250 edições, onde marcam presença os artistas gravadores David de Almeida, José Faria, Irene Buarque, Madalena Fonseca, Marçal, Maria Beatriz ou Maria Tomás.

Dando continuidade ao sentido de preservar técnicas tradicionais praticamente em desuso em Portugal, o CPS dá início em 2001 às edições de Litografia sobre pedra, com uma obra da pintora Helena Abreu, procurando estimular novas gerações de artistas.

Em 2003 edita a primeira Estampa Digital coincidente com a exposição de Evelyn Hellenschmidt e em 2005 inicia as edições de Fotografia com uma série de Carlos Calvet, expandido o universo da imagem artística.

O CPS tem mantido o seu objetivo inicial de tornar a Arte cada vez mais acessível a um maior número de apreciadores, com a inovação do qual são testemunho: as coleções Arte e o Vinho, Arte e Poesia, A Arte e o Livro e A Arte e o Tempo, que ampliam o seu universo de criações.

Destacam-se alguns marcos editoriais como a edição especial de ”Os Lusíadas”, que levou vários anos de impressão, os álbuns “Fado” de Francisco Simões, “Vogal Viva” de António Ramos Rosa, “Oito Canções de Outono – Sequência em Contraponto” de Vasco Graça Moura e Manuel Cargaleiro e o livro ATA, que contou com a participação de 31 artistas portugueses e ingleses do Royal College of Art.
 

PARTICIPAÇÃO EM CERTAMES NACIONAIS E INTERNACIONAIS

Ao procurar estabelecer uma maior proximidade com o público, o CPS tem marcado presença nos principais certames do país, dando a conhecer as suas edições e artistas na Feira de Arte Contemporânea, Marca, FeirArte, Bienal de Gravura, Arte Estoril, Porto Arte e Arte na Leira. E no estrangeiro, no Mês Cultural Português ( África do Sul) e nas prestigiadas ARCO e ESTAMPA (Madrid). A participar desde 1993 na ESTAMPA - Salão Internacional de Obra Gráfica, um dos mais importantes certames a nível mundial, foi em 2005, galardoado com o Prémio de Melhor Galeria (entre 95 galerias de 14 países). O CPS tem vindo a destacar-se pela qualidade da arte portuguesa contemporânea apresentada, reunindo obras de autores consagrados, mas também de jovens artistas a quem propicia uma visibilidade excecional no contexto europeu.
 

EXPOSIÇÕES DO CPS

Com a abertura das novas instalações do CPS no ano 2000, incluiu-se um espaço de exposições temporárias exclusivas de Obra Gráfica: o primeiro e único na altura, no país. A abertura do novo espaço no CCB em Abril de 2008, permitiu uma nova visibilidade expositiva e reforçou a proximidade dos sócios ao universo de arte contemporânea e a um centro de cultura.

Além de dignificar a Obra Gráfica enquanto meio de expressão, o CPS procura dar a conhecer a obra de prestigiados artistas e de inovadoras opções criativas. Entre outras, já foram efetuadas exposições individuais de Tápies, Joseph Beuys, Júlio Pomar, Júlio Resende, Humberto Marçal, Manolo Valdés, David de Almeida, Xavier, Ronnie Wood, Canogar, João Hogan, Esther Villalobos, Saskia Moro, Cruzeiro Seixas, Darocha, Nadir Afonso, Carlos Calvet, Branislav Mihajlovic, Silva Palmeira, Helena Abreu, José Pádua, Eurico Gonçalves, Espiga, Picasso, Dalí, Paula Rego, Le Corbusier.
 

NOVO ATELIER CPS

O CPS abriu em 2003 o seu novo Atelier em amplas instalações situadas numa zona central de Lisboa no qual pretende incrementar a edição e a divulgação da obra gráfica nas suas vertentes, serigrafia, gravura, litografia e, agora também, digital print e fotografia. Este é também um espaço de exploração criativa entre várias disciplinas atentas à inovação e ao potencial de novos projetos.