[ X ]

Ainda não está registado?

Registe-se no novo site do CPS e termine mais rapidamente as suas encomendas, aceda à sua Coleção e, se já é Sócio, utilize as suas quotas! 

Registo

Login

Esqueci-me da password

Testemunhos

 

São Sócios há quanto tempo?

Desde 1995. Nunca nos passou pela cabeça cancelar a subscrição pois, para além de podermos adquirir diversas peças, há sempre a possibilidade de oferecer presentes originais aos amigos e familiares, em múltiplas ocasiões.


O que vos levou a inscreverem-se? O que vos motivou?

Inscrevemo-nos no ano em que nos casámos, por nos terem sido oferecidas duas serigrafias do CPS. O amigo que nos presenteou acabou por nos propor, a nosso pedido, por acharmos o conceito do CPS muito apelativo e inovador. Mesmo ao fim de 22 anos, há sempre oportunidade para adquirir obras interessantes e, ultimamente, para além das serigrafias, temos adquirido outras peças, esculturas e vinho com arte, que são sempre presentes de sucesso.

 

Na vossa Coleção, quais são as obras preferidas?A Serigrafia de Eduardo Nery é uma das obras preferidas do casal

Para o Vasco é o “Jazz” da série Ritmos de Cor, de Eduardo Nery, pela relação das artes plásticas com a música.

Para mim (Carla), a “Homenagem a Vieira da Silva”, de Mário Cesariny, pela ligação do pintor à literatura e porque foi o primeiro quadro, o tal que foi oferecido, por vários amigos muito especiais, como presente de casamento!

 

Que lugar ocupa o CPS na vossa família?

Ao fim de duas décadas como sócios, as casas dos nossos familiares e amigos já têm igualmente obras do CPS oferecidas por nós, em momentos importantes (aniversários, natais, batizados ou casamentos). Graças a estas ofertas, alguns amigos, tal como nos aconteceu inicialmente, quiseram ser propostos como sócios. Em casa de alguns deles, chegamos a olhar para as paredes como se de uma “caderneta de cromos” se tratasse, tentando identificar os autores e se temos ou não!

Presentemente, dado o volume de serigrafias que fomos adquirindo, vamos variando os quadros de acordo com as ocasiões, em vários pontos da casa. Por exemplo, o tríptico do Domingos Mateus tornou-se presença habitual, na época natalícia, ao pé do presépio! E a gravura do Pedro Calapez alterna com uma das serigrafias que temos do Luís Feito, dependendo da estação do ano, na parede central da nossa sala.

Sendo o nosso gosto mais para peças abstratas (e menos figurativas), o que nos agrada no CPS, quando compramos arte para oferecer, é o facto de existir uma oferta diversificada, que abarca vários géneros e gostos.

 

Junho de 2017