[ X ]

Ainda não está registado?

Registe-se no novo site do CPS e termine mais rapidamente as suas encomendas, aceda à sua Coleção e, se já é Sócio, utilize as suas quotas! 

Registo

Login

Esqueci-me da password

Saskia Moro

Biografia

Nasceu em Londres, no ano de 1967, filha de mãe holandesa e pai português.

 

Começa os seus estudos em 1986 na Faculdade de Belas Artes de Madrid, acabando em 1993 o seu curso de doutoramento. Forma o Coletivo C.H.A.P.A.S. e em 1991 participa na XXI Bienal Internacional de São Paulo no Brasil. Foi bolseira da ‘Fundació Pilar i Joan Miró’ em Mallorca em 1995 e 1996, onde recebeu cursos de formação em artes gráficas e fotografia.

 

E tem sido distinguida com vários prémios: XIV Prémio Máximo Ramos (2º premio) ,El Ferrol; III Prémio Deutsche Stiftung (accessit), Madrid; X Premios Nacionales de Grabado 2002 (Prémio José Luis Morales y Martín), Museo del Grabado Contemporáneo, Marbella, Málaga; Melhor artista de ‘Tentaciones’ de Estampa 2004, ‘Asociación madrileña de críticos de arte’, Madrid; Prémio L. Pinto-Coelho ao Jovem Artista Plástico 2004, Forum dos Portugueses, Madrid. Há inúmeras publicações sobre a sua obra.

 

Desde 1989 participa em várias exposições coletivas em Espanha, Portugal, Holanda, Brasil e Índia.

 

Em 1995 inaugura a sua primeira exposição individual ‘Pinturas, gravuras e objetos’ no Instituto Cervantes em Lisboa. Expõe habitualmente em Lisboa (como: 1998 ‘Tajo/Tejo’ Mãe d'Água, 2004 'Olhar além' CPS, 2009 'Terras de Azeite' e 2013‘Alem Mar’ Galeria Valbom, 2013’de sal y arena’ CPS). Em Madrid (como: 2001‘Mareas’ Galería Estiarte, 2013 ‘Distancia’ Galeria EGAM) e Amsterdão (como: 2008 'Landschappen van water en olijfolie' Galerie Clement). Expôs também em Barcelona, Évora (2002 ‘À procura do Tempo’ Teoartis Galeria E), Caceres (2003 ‘Tiempos de Silencio’ Sala El Brocense), Badajoz e Cádiz.

 

Em 2004, José Saramago escreve: “Uma palavra de admiração para Saskia Moro. Por trás das constelações mortiças presentes num quadro que se encontra em minha casa, vemos a ordem universal das palavras. A leitura não é obrigatória, o que, sim, é inevitável é a contemplação. O que está parado, move-se. O que se move suspende-se.”

 

Representada em coleções públicas e particulares, tais como, na Biblioteca Nacional, no Congreso de los Diputados em Madrid, no Museo del Grabado Contemporâneo em Marbella (Málaga), no Argentaria Banco Bilbao Vizcaya, Banco Santander Central Hispano em Espanha, na Companhia de Seguros Fidelidade, Tranquilidade-Vida, Barclays Bank, Ordem dos Economistas em Lisboa e nas Pousadas de Portugal em Leiria.

Ler Mais Ler Menos

Obras